Cuidado ao tripontuar em redes sociais

Domingo em minha agremiação religiosa sentei junto com as missionárias e um convidado delas, como todo membro faz para dar boas vindas.

Reparei que o mesmo estava usando um anel maçônico.

Comecei a sondar, e como sempre tomo cuidado com reconhecimento, perguntei de uma forma muito leiga: “O irmão é de que Loja?”

O mesmo arregalou os olhos e respondeu “não sou maçom, ganhei este anel dos maçons (mentira) e este é um símbolo universal que qualquer pessoa pode usar“. Para não azedar o trabalho das missionárias, sorri e disse “Ok, meu amigo“, lógico não me exaltei, trato todos com gentileza na medida do possível.

Esperei 5 minutos, fui beber água e me sentei próximo à porta para evitar conversa.

Foi uma grande reflexão, pois muitos ficam nas redes sociais tratando os leigos com termos pejorativos (como goteira, por exemplo), mas que na verdade são os grandes culpados por destelhar os templos de nossa Augusta Ordem, tripontuando abertamente em murais abreviaturas maçônicas, na maioria das vezes no intuito de se autoafirmar.

Preserve aquilo que você ama e que conquistou com duras provas.

Quer aparecer? Watermelon Necklace…

Aquele Abraço Fraternal.

Renato Cajal – MM

Receba gratuitamente o Ebook Maçonaria ao Alcance de Todos e o boletim semanal de atualizações sobre a Maçonaria Brasileira

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

eighteen − seventeen =